Frio da Solidão...

Frio da Solidão...
(Oriza Martins)

Intensa, fatal, imensa...
Cruel solidão condensa
Sensações - quase congela.
Fecha portais do prazer,
Mas não me faz esquecer
Uma paixão como aquela...

Paixão banhada em luar,
Quando, sós, à beira-mar,
Curtimos um amor intenso...
Um festival de carícias,
Com direito a tais delícias,
Que arrepiam, quando penso...

Rolávamos sobre a areia
E no céu a lua cheia,
O nosso amor aplaudia...
Porém tal cumplicidade,
Pra minha infelicidade,
Pouco a pouco se esvaía...

Hoje, imergindo em saudade,
Vou curtindo esta vontade
De novamente encontrar-te,
Pois o frio da solidão
Não congela esta emoção:
Jamais deixei de amar-te...

3 comentários:

saile disse...

seus poemas são muito digamos como gatos egoistas não falam de tudo só de mortes de amores e prazeres carnais e banais.não falam da ultima nota que a vida conota nem em sofreguidão real e factual

DC fragmentos disse...

:) parabens!!!

Carlos Euripedes Gomes disse...

quando minha solidão aperta não sei o que fazer a não ser vir aqui achar algo que me complete pra não ficar mais abalado do já sou...
Amei muito esta mensagem mesmo...